5 de dezembro de 2016

[Resenha #49] A Garota no Trem


Titulo: A Garota no Trem 
Autora: Paula Hawkins
Editora:Record
Páginas: 378

Sinopse:Um thriller psicológico que vai mudar para sempre a maneira como você observa a vida das pessoas ao seu redor.Todas as manhãs, Rachel pega o trem das 8h04 de Ashbury para Londres. O arrastar trepidante pelos trilhos faz parte de sua rotina. O percurso, que ela conhece de cor, é um hipnotizante passeio de galpões, caixas dágua, pontes e aconchegantes casas.Em determinado trecho, o trem para no sinal vermelho. E é de lá que Rachel observa diariamente a casa de número 15. Obcecada com seus belos habitantes a quem chama de Jess e Jason , Rachel é capaz de descrever o que imagina ser a vida perfeita do jovem casal. Até testemunhar uma cena chocante, segundos antes de o trem dar um solavanco e seguir viagem. Poucos dias depois, ela descobre que Jess na verdade Megan está desaparecida.Sem conseguir se manter alheia à situação, ela vai à polícia e conta o que viu. E acaba não só participando diretamente do desenrolar dos acontecimentos, mas também da vida de todos os envolvidos. Uma narrativa extremamente inteligente e repleta de reviravoltas, A garota No Trem é um thriller digno de Hitchcock a ser compulsivamente devorado.  

Olá meus queridos leitores, tudo bem com vocês? Espero que sim. Bom, esse livro já  está nos meus desejados a muito tempo, mas como estava meio sem grana sempre adiava a compra dele, mas chegou uma hora que a vontade de ler falou bem mais alto e eu sai para compra-lo. Vamos vê o que eu achei?


No livro conhecemos Rachel, uma mulher alcoólatra que todos os dias pega o trem para ir para Londres. Todos acham que ela está trabalhando, mas na verdade ela só está fazendo o trajeto que sempre fizera para sua amiga não desconfiar que ela perdeu o emprego. Nessas idas e vinda de trem Rachel, passa a observar um casal, não muito distante da casa em que morava com seu ex-marido, que hoje vivi na mesma com a atual  mulher e a filha.Rachel começou a criar em sua cabeça estórias sobre esse casal, ela formulava coisas em sua cabeça. Até que então ela vê algo, que talvez ela não devesse ter visto e isso a deixa injuriada. No dia seguinte ela acorda em casa com alguns ferimentos e o pior de tudo é que ela não se lembra de nada. Depois vê a noticia que a mulher na qual ela observava a vida tinha desaparecido. Ela ficou realmente assustada, a policia foi até ela, mas Rachel realmente não se lembrava de nada. Dias depois ela resolve falar com a policia sobre o que ela tinha visto pela janela do trem, mas como uma alcoólatra eles não colocam muita fé nas palavras da Rachel, e tem muitas cosias que não contam ao seu favor. Então Rachel começa a tomar dores de várias pessoas e começa tentar lembrar-se de tudo que aconteceu nessa noite.

“Eles formam um par, uma dupla. São felizes, está na cara. São o que eu era. São como Tom e eu éramos, há cinco anos. São o que eu perdi, são tudo o que eu quero ser.

Bom, como eu já disse para quem me acompanha nas redes sociais do blog eu estava louca para ler esse livro, minhas expectativas estavam altíssimas para a estória, de certa parte ela foi suprida. A escrita da autora é viciante, você se vê sedenta por mais uma página o tempo todo. Uma narrativa bem explorada com pontos fortes, ela vai fazer você ter várias certezas o livro todo de quem matou a Megan.

“Anna dá meia-volta e entra correndo em casa assim que vê.”

Não é que me decepcionou, mas eu já imaginava quem era o assassino muito antes de muitas coisas serem reveladas nesse livro, não sei se é por que assisto muitos filmes do gênero, ou se é por que eu tenho certo tino para resolver e pescar coisas assim, então foi só nessa parte que não supriu, pois antes de ler eu imaginei mil coisas referentes a quem era o assassino, mas deixando claro que nem por isso o livro perde sua essência,  foi ai que eu queria ler mesmo para provar que eu não estava errada.

“Perdi o controle sobre tudo, até sobre os lugares dentro da minha cabeça.”

A Rachel, foi um personagem muito difícil de identificar, mesmo eu tentando ela não conseguiu ganhar minha empatia, apenas por algumas cenas, mas só. Ela vive uma teia de mentiras e quando você acha que  dessa vez ela vai fazer a coisa certa ela vem e faz tudo errado de novo, ela tenta concertar as coisas, mas no fim só piora. Eu ficava feliz quando ela parava de beber, pois ai sim você podia ver a evolução da personagem, só que ela descontava muita coisa no álcool. Achei bacana a abordagem da autora referente ao alcoolismo. Quando chega no fim do livro, você consegue vê uma certa diferença da Rachel do começo do livro para a de agora , me senti até feliz por ela.

“Há um montinho de roupas do outro lado do trilho do  trilho do trem”

 A narrativa é fantástica a autora te da os fatos para você ir desvendando, creio que cada um vai por um segmento e eu fui pelo certo, assim como muitas pessoas que eu conheço e resenhas que eu li também já  tinha uma ideia base de quem era o assassino.  O livro é narrado por três mulheres: Ana, Megan e Rachel para mim isso foi uma jogada maravilhosa da autora, pois podemos vê pontos de vistas diferentes e às vezes isso nos tira atenção de outras coisas importantes que cercam o livro. As cenas são bem construídas, pude me imaginar várias vezes nos lugares citados pela autora. Ela vai tentar deixar você confusa, vai fazer você cogitar várias hipóteses vai tentar te enganar de todo jeito. Eu amei o enredo, só estou dando 4 estrelas, por que eu já tinha descoberto quem era sem ao menos ninguém ter me falado. Recomendo muito esse livro, para quem quer se aventurar e tentar descobrir um pouco mais sobre a estória de Rachel.