5 de junho de 2017

[Resenha #73] THE HEART OF BETRAYAL

Titulo: The Heart Of Betrayal
Autora: Mary E. Pearson
Editora: DarkSide Books
Páginas: 402

Sinopse:Em The Heart of Betrayal — Crônicas de Amor e Ódio v.2, Lia e Rafe estão presos no reino barbárico de Venda e têm poucas chances de escapar. Desesperado para salvar a vida da princesa, Kaden revelou ao Vendan Komizar que Lia tem um dom poderoso, fazendo crescer o interesse do Komizar por ela.
Enquanto isso, as linhas de amor e ódio vão se definindo. Todos mentiram. Rafe, Kaden e Lia esconderam segredos, mas a bondade ainda habita o coração até dos personagens mais sombrios. E os Vendans, que Lia sempre pensou serem selvagens, desconstroem os preconceitos da princesa, que agora cria uma aliança inesperada com eles. Lutando com sua alta educação, seu dom e sua percepção sobre si mesma, Lia precisa fazer escolhas poderosas que vão afetar profundamente sua família... e seu próprio destino.
Oi leitores do Entre Livros e Amores!
Aqui é a Tassi e dei uma sumidinha, mas voltei para cumprir a promessa de trazer a resenha da continuação do tão aclamado livro da Darkside, The Kiss of Deception. Hoje, iremos falar um pouquinho de The Heart of Betrayal e descobrir como Lia consegue continuar a surpreender nós leitores.
Mas cuidado: Se você ainda não leu o primeiro pode encontrar alguns spoilers por aqui. A continuação pela leitura da resenha fica por sua conta e risco.
                                                                                                             
O livro inicia onde o primeiro terminar. Temos uma Lia sendo levada a Venda por Kaden e também temos muitas descobertas de segredos entre Rafe, Kaden e Lia. E vou confessar já por aqui que se no primeiro livro eu tinha nojinho do Kaden, nesse ele se intensificou. Ele leva Lia até o Komizar (uma espécie de rei no país de Venda) com o “intuito” de salvar ela. Sua desculpa é que se ele convencer o Komizar que Lia tem o “Dom” das primeiras filhas teria a desculpa de Lia permanecer viva para que o Komizar possa usar esse poder em benefício de seus próprios desejos.


Já nos primeiros capítulos relembramos com muita dor uma morte bem significativa e dolorosa que ocorreu no final do livro e o quanto o ato de bravura de Lia naquele momento continua intacto, lhe dando força e ajudando a enfrentar o medo de estar “sozinha” no território inimigo enfrentando muitos desafios para provar que ela não é simplesmente uma princesa qualquer e sim um soldado do exército de seu pai, pronta para acabar com qualquer um que entrar em seu caminho.

Quando Lia é apresentada ao Komizar, este a humilha e ganha algumas batalhas verbais contra nossa protagonista. Ele a obriga a andar em sacos de comida como forma de rebaixa-la até o impossível e mostrar que quem mandar naquele lugar é ele. O primeiro ato de coragem de Lia é transformar o saco que vestia em uma roupa usável somente com algumas amarras e desafiar o Komizar a confirmar que ele nunca mencionou que ela não poderia “customizar” a “peça” de roupa que ele gentilmente lhe deu para usar.

Aos poucos Lia vai ganhando um pouco de respeito do nosso Komizar, mas isso não muda o fato de ele ser um ditador terrível e detestável que sempre que vê uma chance a humilha e a usa para ganhar a confiança escassa de seus súditos. Mas apesar de Lia ajudar ele, ela também ajuda ao recitar versos de Os Últimos Testemunhos de Gaudriel da janela de sua prisão para os aflitos que todos os dias gritam por seu nome.
Eu me surpreendi muito com essa leitura no final do ano de 2016. Foi meu último livro lido e garanto que não foi nenhuma perda de tempo. Novamente somos apresentados a uma Lia cheia de determinação e coragem que pouco se vê por aí. Ela é esperta e nos surpreende durante todo o livro cada vez que uma informação relevante é mostrada. Eu simplesmente pirei quando descobrimos alguns dons incríveis que essa princesa rebelde tem sem que perceba.

Rafe também aparece bastante e tem um papel extremamente importante em toda a história. Ele se revela como príncipe de Dalbreck e trama todo um plano somente para salvar Lia. E eu juro que se esses dois não ficarem juntos eu vou atrás dessa autora matar ela pessoalmente (colunista má detectada por aqui).

Kaden também tem um papel muito importante na história e somos apresentados aos poucos a ele e ao seu mundo, em como ele enxerga tudo e vive. E por mais que isso tenha comovido e ganhado o coração de muitos, o meu continuou com a porta fechada para ele. Somente no final que ele ganhou um pouco da minha simpatia com certa atitude para com Lia e Rafe que, em minha opinião, foi o mínimo depois de tudo.


Também descobrimos mais sobre Venda, a alguns personagens secundários importantes e que acabaram ganhando muito meu coração. Lia também amadurece muito nesse livro através de seus próprios questionamentos e escolhas ao longo da trama e tudo de forma muito sutil.

Sem dar spoiler aqui, temos um final arrasador que te deixa ansioso e roendo as unhas para ter logo em mãos o terceiro livro da Autora e isso, acredito eu, só aumenta o amor pela série e também perceber o quanto a autora é inteligente e perspicaz ao casar cada detalhe da história.

Sobre a edição, nem preciso comentar muito. Quando falamos em Darkside, falamos em excelência e perfeição. Capa dura de folhas um pouco mais grossas e ásperas, amareladas e deliciosas. Cheiroso, com uma capa aveludada e cores que representam bem o teor do livro. A ilustração está incrível e por dentro ele é tão incrível e detalhado quanto o primeiro.