22 de agosto de 2017

[Resenha #81] Princesa de Papel

Titulo: Princesa de Papel
Autora: Erin Watt
Editora: Essência
Páginas: 368

Sinopse:O primeiro livro da série The Royals, a nova sensação new adult dos EUA. Ella Harper é uma sobrevivente. Nunca conheceu o pai e passou a vida mudando de cidade em cidade com a mãe, uma mulher instável e problemática, acreditando que em algum momento as duas conseguiriam sair do sufoco. Mas agora a mãe morreu, e Ella está sozinha. É quando aparece Callum Royal, amigo do pai, que promete tirá-la da pobreza. A oferta parece tentadora: uma boa mesada, uma promessa de herança, uma nova vida na mansão dos Royal, onde passará a conviver com os cinco filhos de Callum. Ao chegar ao novo lar, Ella descobre que cada garoto Royal é mais atraente que o outro – e que todos a odeiam com todas as forças. Especialmente Reed, o mais sedutor, e também aquele capaz de baixar na escola o “decreto Royal” – basta uma palavra dele e a vida social da garota estará estilhaçada pelos próximos anos. Reed não a quer ali. Ele diz que ela não pertence ao mundo dos Royal. E ele pode estar certo. 
Olá meus leitores, hoje vim trazer resenha de um livro que eu já queria ler desde o lançamento, eis que eu comprei vários livros na amazon no  fim do mês passado, mas acabei deixando esse por ultimo, pois minhas amigas falaram que eu poderia entrar em uma pequena ressaca literária devido ao fim desse livro. Então optei por ler todos os outros que eu comprei para depois ler esse. Vamos saber o que eu achei de Princesa de Papel?


 Ella é uma menina que desde cedo já sabe o que é responsabilidade. Sua mãe a amava, disso ela jamais teve duvida, mas sempre a colocava em situações delicadas como, por exemplo, ter que ficar mudando o tempo todo sempre em que ela trocava de namorado. Ella já estava acostumada com as mudanças e com as várias personalidades dos namorados de sua mãe então nada mais já a surpreendia.
Então a mãe de Ella adoece e ela não vê outra saída, pega a identidade da mãe e começa a trabalhar como Stripper assim como sua mãe era para ajudar nos gastos, pois era muita coisa e ela não tinha essa quantidade de dinheiro. Para Ella está foi à maneira mais fácil, já que a única família que ela tinha era sua mãe. Só que mesmo tendo tratamento adequado a mãe de Ella vem a falecer.

Mesmo depois d falecimento da mãe, Ella não para de trabalhar, pois agora ela precisa mais do que nunca do dinheiro. Então em um belo dia ela esta na escola quando é convocada pelo diretor para ter uma conversa. Passa mil coisas na cabeça dela, mas garanto que nenhuma das coisas era o que ela viu quando ela chegou lá. Havia um homem muito bem apresentável na sala do diretor alegando ser o seu tutor legal, ela entra em desespero total chega até a julgar que toda a papelada que ele apresenta é falsa, já que ele vem em nome de seu pai.

Em um momento de desespero vendo que o homem já sabia do falecimento da mãe, na qual ela escondeu por um tempo estava querendo cuidar dela. Eis que ela aceita a proposta de um clube de Stripprs que paga bem melhor que os outros, pega sua mochila e parte para lá. Quando ela chega é apresentada as meninas e o dono da Boate fala que tem um cara querendo um show particular e tem que ser dela. Para a surpresa de Ella quem está a aguardando é o mesmo homem que estava na sala do diretor. No começo ela reluta, mas depois da ouvidos para o que o home tem a dizer.


Ele explica que além de ser melhor amigo do seu pai, recebeu uma carta da mãe dela e que foi nessa carta que o pai dela descobriu que ia ser pai, mas por um triste golpe do destino antes dele poder ter a chance de conhecê-la ele acaba falecendo. Ella então aceita tudo que o homem tem a lhe oferecer. Quando ela chega a casa, casa não a mansão ela se assusta com tanto luxo e regalia. A mansão dos Royals é um verdadeiro castelo. Então o Sr. Royal a apresenta para os seus filhos, mas logo de cara nenhum gosta dela, pois acham que ela dorme com o pai deles.

Os meninos decidem que vão infernizar a vida de Ella, fazem de tudo e na maioria das vezes conseguem. Só que Ella é mais resistente do que eles imaginam, como diria o ditado  quem mexe com fogo acaba se queimando  é bem isso, todos que mexem com ela, Ella faz questão de devolver a altura sem pensar nas consequências que isso pode gerar.

Reed é o que mais implica com a menina, se ela respira ele já está implicando com ela. Há julga o tempo todo, mas tem um ar de proteção com ela. Com o tempo as coisas vão se acertando e  a verdade sobre cada um vem vindo a tona, e nem tudo é realmente o que parece.

PERFEITO!
 Quando minhas leitoras me indicaram esse livro, eu dei uma olhada na sinopse e vi mais uma vez que minhas leitoras sabem bem do que eu gosto e isso me encheu o coração. Deixei para fazer a leitura dele por ultimo, pois já sabia que o final era bem PUNK. Foi meu primeiro contato com a escrita de uma das autoras, pois para quem não sabem são duas autoras Jen Frederick  e a diva dona da bagaça todo Elle Kennedy, foi uma junção perfeita. Para quem ama a série Amores improváveis vai amar com toda certeza esse livro.


Os irmãos Royals são uma mistura de tudo um pouco, são ogros feitos o Shrek, mas com o tempo vamos descobrindo a personalidade de cada um deles. No começo você começa até duvidar de algumas atitudes deles, mas você começa a ir pegando certo carinho, mas vou te falar até chegar nesse nível com toda certeza vocês vão querer matar eles no mínimo umas mil vezes antes de chegarem a esse estagio.

Reed é um personagem que eu jurava que não era principal, não sei por que achava que o irmão que no inicio Ella achou ele um gatão (todos são) que seria o principal. No inicio do livro ele não em desceu, mas fazer o que? Eu sou apaixonada em um Bad Boy, mesmo sabendo que ele era um destruidor de corações e não prestava eu confiei pesado nele. Reed tem lá seus momentos e com o passar das páginas você consegue entender por que ele é tão amargo e até inseguro e isso reflete muito em suas atitudes machistas e sem noção alguma. Ele também arrumou um jeito de descarregar sua raiva.

Ella é aquela personagem que você consegue sentir afinidade logo de cara, pois você consegue perceber que tudo que ela faz até mesmo as burradas é para se proteger, por que desde muito nova ela teve que lidar com coisas que não era da sua idade, ela cresceu mais cedo que muita gente ela passou por tanta coisa que aprendeu a desconfiar de tudo e isso a tornou uma personagem forte. O que mais me encantou nela é que ela é uma personagem de presença, em momento algum você a vê se remoendo por tudo que já passou muito pelo contrario ela segue em frente sem olhar para trás. Quando ela sabe que vai desmoronar que não aguenta mais ela segura, mas não demonstra para o Royals . Ella é uma personagem com uma personalidade incrível e com uma estória de vida marcante.

Os personagens secundários me levaram de ódio a risadas, pois eles fazem você querer entrar na estória e debater tudo aquilo que está acontecendo. Uma dica não se deixe enganar por muitos rostinhos bonitos que tem nesse livro. As autoras sabem fazer você odiar um personagem com uma intensidade tão grande a ponto de você querer entrar no livro e estapear a cara de um por um.


O romance do livro é bem convincente, você consegue sentir o sentimento crescendo nos mínimos gestos, com a preocupação e as reações. Isso foi lindo de ver. A criação dos personagens foi muito bem elaborada cada um com sua singularidade e seus caprichos. Juro que eu não aguentaria viver um dia com algumas pessoas desse livro. As cenas são bem elaboradas e faz o coração do leitor de encher. A ambientação também está bem descritiva, mas anda muito cansativo, apenas para nos situarmos onde estamos.

A narração é feita em primeira pessoa pelo ponto de vista da Ella, confesso que senti falta da narração do Reed e até mesmo de alguns dos irmãos em determinadas cenas do livro acho que traria um up para estória, tudo bem sabemos que o próximo livro é o Reed que narra, mas ainda assim acho que seria bacana uma narração intercalada entre ponto de vista de ambos. A diagramação do livro está perfeita, a capa nem se fala. O final desse livro me deixou com um nó enorme na garganta, com uma vontade de gritar a quatro cantos, mas sabia que não podia fazer isso. Não vejo a hora de ler o segundo livro, pois realmente estou necessitada disso. Indico muito esse livro. Quem já leu o que achou?