8 de fevereiro de 2018

[ Tag] Doenças Literarias


Olá, meus queridos leitores♥
Tem muito mais muito tempo mesmo que eu não faço post sobre tag. Bom essa tag eu vi no blog Livros e Tal,  mas já faz muito tempo tanto que o post rascunho de tags é de novembro de 2016 rsrsr. Mas sem mais delongas vamos ao que interessa?

A tag consiste em relacionar doenças com determinados livros, então vamos  ler o que eu aprontei?




Diabetes: Um livro muito doce.


Rosas e Chocolate, para mim é um livro muito doce e até um pouco sem aprofundamento. 













Catapora: Um livro que você leu uma vez para nunca mais. 


  Para sem bem sincera até hoje não tem um livro que eu não leria novamente. Acho que as vezes é até bom uma releitura para quem sabe compreendermos algo que deixamos passar.





 Influenza A: Um livro contagioso






Podem me julgar por que sei que algumas pessoas não curtem o gênero e nem a  história, mas convenhamos que assim que o livro foi lançado e até hoje contagia muitos fãs. Eu sou uma delas. 












 Insônia : Um livro que você passou a noite lendo.



 Esse livro é uma maravilha me fez devorar a noite toda não conseguia parar de ler. Quanto mais eu lia mais eu queria quando percebi o sol já estava raiando. 


Amnésia: Um livro que você leu e não se lembra


  Eu li esse livro era muito novinha eu me lembro da sensação boa que tive, mas me recordo muito vagamente sobre o enredo. Com toda certeza irei comprar a nova edição para ler. 














  Asma: Um livro que te tirou o fôlego 


Essa trilogia com toda certeza posso afirmar que roubou todo meu fôlego. 



 Má nutrição: Um livro que você esqueceu-se de comer para ler 


Essa é a mais fácil de todas, assim que eu peguei esse livro parece que nada mais importava. Estava em uma ansiedade que eu devorei ele.










 Doença de viagem: Um livro que te lembre ou você relaciona com uma viagem 


Sempre relaciono esse livro com viagens, vai que um dia eu encontre um piloto igual ao Milles, né? Não custa nada sonhar!



















7 de fevereiro de 2018

[ Primeira Impressões] O casal que mora ao lado

Titulo:  O casal que mora ao lado
Editora: Record
Autora: Shari Lapena
Páginas: 294
Sinopse:É o aniversário de Graham, e sua esposa, Cynthia, convida os vizinhos, Anne e Marco Conti, para um jantar. Marco acha que isso será bom para a esposa, afinal, ela quase nunca sai de casa desde o nascimento de Cora e da depressão pós-parto. Porém, Cynthia pediu que não levassem a filha. Ela simplesmente não suporta crianças chorando.Marco garante que a bebê vai ficar bem dormindo em seu berço. Afinal, eles moram na casa ao lado. Podem levar a babá eletrônica e se revezar para dar uma olhada na filha. Tudo vai dar certo. Porém, ao voltarem para a casa, a porta da frente está aberta e Cora desapareceu. Logo o rapto da filha faz Anne e Marco se envolverem em uma teia de mentiras, que traz à tona segredos aterradores.


Olá, meus queridos leitores ♥
Tem um tempinho que não faço  primeiras impressões, então resolvi fazer sobre esse  livro, pois vi que a relação de muita gente sobre esse livro é de amor e ódio então quero vê se o que eu estou sentindo ao ler será a mesma coisa que eu vou sentir ao finalizar.

Um bebê desaparecido e um tormento começa.
 Anne e Marcus tem uma linda bebê, Cora.  Logo depois de ser mãe Anne foi diagnosticada com depressão pós parto e isso fez com que ela virasse uma pessoa até um pouco mais reservada, eis que sua vizinha  e também amiga  convida Marcus e Anne para comemorar o aniversario de seu amigo, mas tinha uma condição  Não poderiam levar a filha.

Então contratam uma babá que já tem costume de olhar a Cora, mas em cima da hora ela desmarca e diz que infelizmente não poderá ir. Marcus tenta a todo custo convencer a esposa de que podem deixar a criança sozinha e levarem a babá eletrônica, já que a casa deles e grudada com a da vizinha. Anne fica muito relutante no inicio, que tipo de pais vão se divertir e deixa uma bebê sozinha? Depois de muito discutirem acabaram entrando em um acordo a cada meia hora um vai lá vê como ela está.


A noite estava tranquila, mantinham  sempre o controle de meia em meia hora cada um ia lá da uma olhada na pequena Cora. Quando a noite foi se afundando Anne resolve que já passou da hora de ir embora, pois percebeu que  além dela ter bebido um pouco demais seu marido e sua vizinha estavam flertando. Quando chegam na varanda de casa percebem que a porta esta entreaberta e Anne jura que havia fechado eis que o pânico toma conta deles quando percebem que Cora não esta em seu berço. Ela havia sido raptada e não havia nenhum suspeito. Quando chamam a policia obviamente já imaginam que eles seriam os primeiros suspeitos, mas eles tentam provar com unhas e dentes que não são culpados pelo desaparecimento da filha, mas até onde eles estão falando a verdade? Será mesmo que eles são tão inocentes quanto parecem?


O livro trás um mistério que  podemos até pensar que está na cara, mas quem sabe realmente não esteja e a autora só quer brincar com a nossa cara? Bom ainda não sei, mas tem hora que tenho essa sensação ao estar lendo. A autora trabalha bem com detalhes e fatos e creio que isso de certo modo é para mexer um pouco com o psicológico do leitor. Se tem uma coisa que as vezes me irrita, mas é de fato compreensivo é o tanto que o investigador quer juntar as peças e incriminar o Marcus, ainda não sei bem como vai seguir essa linha de raciocino.


A personalidade dos  personagens chega ser algumas vezes até contraditórias na medida em que vamos conhecendo os personagens. Tenho uma leve impressão que já liguei alguns fatos dessa trama  que estou torcendo para estar certa. Até então estou gostando da trama estou em 45% da leitura e  está fluindo muito bem.  Será que eu realmente vou gostar do fim?

6 de fevereiro de 2018

[ Resenha #95] Sorrisos Quebrados

 Titulo: Sorrisos Quebrados
Autora: Sofia Silva 
Editora: Valentina
Páginas: 232
Sinopse:Sorrisos Quebrados gira em torno de três personagens: a jovem Paola, a pequena Sol e seu pai, André. Os três são vítimas de violências distintas, que deixaram marcas profundas em cada um. Trata-se de uma história de superação de dores, magia, estrelas e de como importantes laços humanos podem se formar a partir da autoaceitação, da arte e da tolerância no cotidiano.







Olá, meus queridos  Leitores!
Sabe quando o livro mexe tanto com você que você não sabe nem por onde  começar a falar sobre ele? E mesmo falando tudo ainda sente que não será o suficiente para que possam entender a grandeza e profundidade do enredo? Pois é, foi eu com  Sorrisos Quebrados eu fiquei pensando como faria essa resenha para vocês, já que sei que palavras não serão suficientes, mas vou tentar transmitir para vocês  um pouco dessa história 



Paola sempre soube que não era uma mulher com atributos físicos muito desejados no meio da sociedade, mas sabia que tinha um belo sorriso. Ela se sente uma princesa quando percebe que Roberto um homem no qual todas as suas amigas cobiçava só tinha olhos para ela. Ele realmente parece um príncipe desde status social até aparência física. A paixão parece algo de cinema até que eles se casam e ela percebe que tudo não passa apenas de uma linda faixada. Roberto o homem no qual jurou protege-la e ama-la na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza e o homem que mais lhe causa dor física e psicológica. Ela teme cada dia mais a sua vida, pois sabe que isso um dia terá que ter um fim.

Eis que um dia Paola toma coragem e resolve fugir, mas ela deveria imaginar que em todos esses anos Roberto sempre esteve a um passo frente dela. Quando ela acha que está tudo indo bem ele aparece e bate sua cabeça  no volante e começa suas torturas e por fim a joga no canil mesmo sabendo que ela tem pavor de cachorros por um trauma do passado. Ele não sente dó muito menos remorso e por um tempo fica vendo o cachorro a morder sem fazer nada para tentar impedir.




Depois de alguns anos do ocorrido, Paola agora tenta seguir sua vida morando em uma clinica de reabilitação. Ela não é bem uma paciente, já que consegue encarar bem os fatos que lhe aconteceu. Hoje ela  dedica o seu tempo para a  pintura, que são lindas por sinal. No dia do  Aniversario de sua morte  que é assim que ela apelidou o dia que tudo aconteceu ela acaba tendo um surto e desmaiando. André fica assustado ao vê a face de Paola e até então não compreende a situação toda. 


Paola de fato ficou assustada com o tamanho do André e mesmo sem perceber ele acabou a intimidando. Passa alguns dias e Paola quer ter certeza  que  André não aparecerá na  festa da clinica. Esse ano Paola irá pintar o rosto das crianças e acaba que chega uma menina  linda com os cabelos tão claros quanto o sol e acaba conversando com ela. Minutos depois chega André um pouco desnorteado e até surpreso ao vê a filha se interagir. 


 Sol é a filha do André, uma menina linda com tão pouca idade, mas já sofreu mais do que um adulto e com isso acabou se tornando uma criança reclusa, mas Sol vê algo em Paola e não quer mais desgrudar dela por nada, a palavra certa para o que Sol vê em Paola é  inspiração. Elas acabam se conhecendo melhor e Sol vira uma das pessoas mais importantes da vida da Paola  isso se não for a mais importante.

André fica maravilhado com tudo aquilo e quer conhecer um pouco mais sobre a Paola. E na festa de aniversario da Sol onde a Paola a deu um dos melhores presentes ele começa a perceber que sente algum tipo de atração por ela que nem ele mesmo sabe explicar, pois o toque dela gera arrepios em lugares que nem ele imagina. Então ele propõe a ela  uma noite, apenas uma  noite para que eles possam fingir que tudo é perfeito que tudo está onde deveria está. Só que não é apenas mais uma noite e sabemos disso. Será que duas pessoas completamente quebradas conseguem unir seus pedaços e se tornar um só? 



Maravilhoso!  Tocante!

 Essas duas palavrinhas definem um pouco da intensidade desse enredo. Falei pouco por que a trama central realmente gira em torno disso duas pessoas completamente quebradas tentando juntar seus cacos e recomeçar a viver. Foi meu primeiro contato com a escrita  da autora e meu deus que escrita. Uma mulher que consegue transbordar sentimentos em palavras de uma maneira tão tocante que emociona o leitor de uma maneira muito intima. 

Paola foi uma personagem marcante para mim. Ela tem consciência do que viveu e do que passou, pois carrega as marcas pelo seu corpo como forma de lembrete. Cada um tem sua válvula de escape  e ela achou isso na pintura e por sinal ela  é muito boa. Ela pinta  com cores vivas, ela quer a todo custo tirar o lado preto e branco da vida dela. Eu amei com todas as minhas forças essa personagem. Ela é sim um guerreira é um exemplo que muitas devem seguir. Uma personagem sabia e muito companheira. Acho lindo como ela pega a responsabilidade da  Sol para ela mesmo sabendo que não tem obrigação nenhuma, ela sempre a coloca em primeiro lugar. 


André é um personagem que não devemos julgar pela aparência, pois ele é uma montanha de músculos e atraente quem não o conhece bem imagina que ele  é só mais um rostinho bonito. Esse  personagem me levou as lágrima  muitas vezes. Esse sim é um exemplo de pai, as coisas que ele faz para Sol me deixa de olhos marejados só de lembrar o quanto ele se esforça para não passar  dificuldades para sempre tentar da o bom para ela e ensina-la as coisas corretas da vida. Ele se torturaria mil vezes por dia se  soubesse que isso  seria a punição pelo sorrio da filha. Ele faz tudo por ela, move céus e terra para que ele possa se sentir amada e protegida pelas pessoas. Ele é homem, ele é pai e é um dos melhores personagens que eu tive a oportunidade de conhecer. 


Sol, há minha doce raio de sol. Pude compreender muita coisa e achei bem realista  a essência que a  Sol trás, não sei se me senti muito intima a ela por ser mãe e ter uma filha na mesma idade que ela. Ela é uma  menina que o mundo deveria conhecer por ser uma menina com um coração tão bom e dona de uma generosidade enorme. Eu sofri tanto quando descobri tudo que aconteceu com ela por que realmente doeu em mim em uma intensidade que eu não esperava. Sol é uma maravilha de criança, esperta, cheia de vida e que todo mundo deveria ter a oportunidade de conhecer uma menina  assim.


 O enredo é muito bom, tem cenas hot, mas muito bem desenvolvidas. Teve horas que tive um questionamento sobre se realmente sexo resolveria alguma coisa, até conversei com a Bruna  do  Um oceano de histórias  e ela falou que amou o livro, mas que tinha essa ressalva. Assim como ela eu não acho que sexo resolva as coisas, mas eu entendo o ponto de vista da Paola, ela precisava ser aceita de corpo e alma e isso para ela realmente é algo importante se sentir desejada por alguém. Quando alguns segredos vem a tona ficamos boquiabertos ainda mais quando algo do passado do Roberto é revelado e eu fiquei  meu deus como assim?  

Os temas abordados aqui são de grande importância e foram trabalhados de uma maneira muito satisfatória a autora sabia muito bem do que tava tratando. Personagens bem construídos e com uma carga emocional muito densa deixa a trama ainda melhor. A escrita da Sofia é algo fora do comum, como citei  acima ela transborda sentimentos através de palavras. Seus personagens são sábios até a pequena Sol fala umas coisas que enchem o nosso coração.

A narração é feita toda em primeira pessoa intercalando o ponto de vista do André e da Paola, eu amo esse tipo de narrativa e ainda mais nesse caso, pude compreender melhor o que se passava com cada um e isso trouxe uma emoção a mais na história. Não preciso nem falar da diagramação né? A diagramação está em um capricho que vocês não tem ideia. A capa trabalhada nas cores fazem jus a personagem pelo menos eu tentei imaginar a Paola parecida com a capa. O livro é separado por  partes e a fonte que divide essas partes é a coisa mais fofa do mundo.


Em suma é um livro perfeito, um livro que fala de amor, conquista confiança e que nos mostra que mesmo sendo quebrados ainda temos chances  de pegar nossos cacos e nos reconstruirmos.